IMPRENSA

O que é o câncer (tumor maligno, doença maligna)?

Galeria de Fotos

Até o final dos anos 1970 o câncer era uma doença considerada como uma sentença de morte. Nas três últimas décadas, avanços na medicina, campanhas do governo e o acesso a informações mudaram o entendimento das pessoas acerca desta doença. O câncer deixou de ser um estigma social, cuja mera menção da palavra era evitada e o diagnóstico muitas vezes era “escondido” até mesmo do próprio doente.
O termo câncer, se refere a um conjunto de muitas doenças (mais de 100) que são caracterizadas pelo crescimento desordenado de células, que pode ocorrer em qualquer parte do corpo. Esse processo forma o que conhecemos por tumores malignos. Estes, que têm em comum o crescimento desordenado  de células, invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se para outras regiões do corpo que são as metástases. Estas células tem tendência a serem muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias malignas. Já um tumor benigno significa simplesmente uma massa de células localizadas que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco a vida do individuo acometido.
A doença é conhecida desde a Antiguidade, mas os números de casos começaram a aumentar e a chamar a atenção a partir dos anos 70. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que os casos aumentarão 50% até 2030, e a estimativa é que quase 22 milhões de pessoas no mundo sejam diagnosticadas com a doença. Essas mudanças mundiais se devem ao envelhecimento da população, ao aumento do número de casos em países em desenvolvimento (mudança de estilo de vida) e a adoção de hábitos de risco, como a falta de atividade física e um maior consumo de álcool, tabaco e alimentos processados. No Brasil, em menos de uma década, 30 milhões de pessoas morreram pela doença, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Só em 2015, foram 500 mil novos casos.

As causas de câncer, assim como outras DCNT são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, no entanto ambas são inter-relacionadas. As causas externas dizem respeito ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social, cultural e do próprio individuo. Já as internas são, na maioria das vezes, pré-determinadas pela genética, estão ligadas à capacidade do organismo de se defender de agressões externas. Esses fatores  podem interagir de formas variadas, aumentando a probabilidade de transformações malignas nas células normais. De todos os casos de câncer, 80% a 90% estão associados a fatores ambientais e  estilo de vida. Alguns deles são bem conhecidos, como o cigarro, a exposição excessiva ao sol e alguns vírus. Muitos estão ainda em estudo, como alguns componentes dos alimentos, e muitos fatores causais são ainda completamente desconhecidos.

Dica importante: PREVENÇÃO
• Prevenção do câncer engloba: prevenção primária e prevenção secundária.
? Prevenção primária tem por objetivo impedir que o câncer se desenvolva. Inclui a adoção de um modo de vida saudável e evitar se expor a substâncias causadoras de câncer.
? Prevenção secundária do câncer tem por objetivo detectar e tratar doenças pré-malignas (por exemplo, lesão causada pelo vírus HPV ou pólipos nas paredes do intestino) ou cânceres assintomáticos iniciais.