IMPRENSA

Indígenas se decidem por Cristo durante culto realizado na aldeia

Galeria de Fotos

Por Eunice Costa* 


Estivemos nos últimos dias visitando uma das nossas Congregações do Rio Fresco. Recentemente, a aldeia Apêxti enfrentou várias dificuldades e acabou se dividindo. Cerca de 70% da população se retirou, formando uma nova aldeia, que recebeu o nome de K?nopure. Entretanto, permaneceram em Apêxti, a obreira que cuida da Igreja e outros crentes com ela. A Igreja foi construída em 2014 com a ajuda do Departamento de Missões da CBC e complementada com recursos locais. Também foram doadas 40 cadeiras, que infelizmente foram levadas pelo grupo que se dividiu para formar a nova aldeia. A Igreja está precisando passar por uma reforma para substituição de telhas que foram levadas por um temporal ocorrido há algumas semanas, e também de pintura e colocação de piso. Apesar destas dificuldades, nesses poucos dias passados em Apêxti tivemos a oportunidade de discipular e orientar os irmãos, fortalecendo-os na Fé e fomos surpreendidos pelo agir no Senhor entre aqueles que Ele tem escolhido.
No domingo, tivemos um culto muito abençoado com reconciliação e decisões ao lado de Cristo. Já vínhamos há algum tempo trabalhando com o cacique da aldeia, que estava afastado dos caminhos do Senhor, porém, nesse culto, ele manifestou publicamente sua decisão de se reconciliar. Também tivemos a alegria de acompanhar a decisão do Kôkôkriti e de sua filha adolescente, Pik?n. Foi por ela que oramos no dia 26 de maio, quando estava em estado gravíssimo de tuberculose, vomitando sangue e com o diagnóstico pouco promissor, tendo sido já encaminhada para um hospital da região. Cerca de duas semanas depois, na nossa chegada na aldeia, ela estava completamente recuperada dos sintomas e juntamente com o pai foi ao culto testemunhar seu restabelecimento e aceitar a Cristo como Salvador. Outros jovens também tomaram a mesma decisão e agora serão discipulados e preparados para o batismo. Rogamos que continuem orando por nós. Somente nesta região do Rio Fresco e Riozinho temos oito aldeias sob nossa responsabilidade, mas em apenas duas delas temos igrejas construídas. Todas as demais têm clamado por ajuda para construir um local de cultos a fim de melhor servirem ao Senhor. Unam-se a nós em nossas orações, para que Deus levante os recursos necessários para esse tão urgente empreendimento. Nunca esquecendo que você também pode ser o instrumento de Deus para que essas orações sejam atendidas. Que o Senhor nos faça sensíveis às necessidades de sua Obra!

*A missionária Eunice Costa e seu esposo, missionário Paulo Costa, atendem aldeias indígenas da tribo kayapó, no estado do Pará.