IMPRENSA

Teologia e Prática Ministerial de Paulo (I)

Galeria de Fotos

 

Conteúdo apresentado no Curso de Mestrado em Teologia do Seminário Teológico Gilgal, em Bagé-RS.

Pr. Alvacyr Costa (Karam)


INTRODUÇÃO

O  tema que nos propomos  abordar é, basicamente, o assunto mais geralmente denominado  Teologia Pastoral. Nossa abordagem, porém, será bem diferente da forma tradicional com que se costuma  apresentar a matéria. Talvez, um tanto original em seu modelo, ainda que o conteúdo traga, quiçá, poucas novidades. Procurando ser objetivo, poderemos, em alguns pontos, passar por excessivamente rude. Mas se chocamos, é exatamente isso que gostaríamos de fazer: Ferir fundo para “marcar”! Uma cicatriz profunda deixa uma lembrança mais permanente. E queremos que os conceitos aqui passados, fiquem para sempre com os estudantes, atuais e futuros ministros. Pelo menos até que, ao longo da vida, pelos estudos e pelas experiências, encontrem conceitos melhores.

Nosso estudo se baseará principalmente na Primeira Epístola de Paulo a Timóteo, cotejada com as demais Epístolas Pastorais: 2ª  a Timóteo e Tito, onde estão expressos os ensinamentos apostólicos sobre o assunto. Claro que percorreremos muitos outros passos das Escrituras. Também não desprezaremos Autores que escreveram sobre o assunto. Mas a base será as Pastorais, principalmente a 1ª a Timóteo, de onde extrairemos, da vida e dos ensinamentos de Paulo, orientações, princípios e normas que nos ajudarão a melhor desempenhar o muito glorioso, porém  intensamente árduo trabalho que o Senhor colocou em nossas mãos. E que, ao fim da jornada, possamos ouvi-lo dizer:

     Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel...  (Mt 25.21)

CAPÍTULO I

É difícil separarmos uma obra de seu Autor. Qualquer que seja a área. Inclusive na literatura. Não estudamos  Filosofia, sem estudarmos os filósofos. É impossível separarmos o Calvinismo de Calvino e impensável não buscarmos Lutero quando queremos saber de sua doutrina. Assim, começaremos nosso estudo  com um exame geral das cartas paulinas e do “Autor”

I. AS CARTAS PASTORAIS

Desde o início do Século XVIII,  1 e 2  Timóteo e Tito têm sido designadas Epístolas Pastorais. Embora não seja completamente adequada, essa designação indica a natureza prática do assunto explorado nessas epístolas. Timóteo, um pastor ainda com poucas experiência, foi deixado incumbido da importante igreja de Éfeso. Paulo, seu pai espiritual, escreveu para encorajá-lo e instruí-lo em relação a assuntos práticos como a adoração pública, as qualificações dos oficiais da igreja, e a confrontação do ensino falso, que já se infiltrava na mesma. Também instrui Timóteo acerca das relações com os diversos grupos da igreja, incluindo as viúvas, os anciãos, os escravos e os mestres falsos. 1 Timóteo, por conseguinte, contém muita informação acerca dos problemas da igreja em desenvolvimento no terceiro quartel do primeiro século cristão. A epístola revela, do princípio ao fim, o calor pessoal do grande apóstolo em favor de seu filho na fé e a ênfase que ele punha sobre a grande qualificação do ministro cristão, a piedade (Bíblia Vida Nova – Apêndice, pág. 321)


II.   FINALIDADES EXPRESSAS DE 1 TIMÓTEO

a) ....Existem aí nessas cidade alguns que estão ensinando doutrinas falsas, e você precisa fazer com que eles parem com isso. Diga a essa gente que deixe de lado as lendas e as longas listas de nomes de antepassados, pois essas coisas só produzem discussões. Elas não têm nada a ver com o plano de Deus, que é conhecido somente por meio da fé. Essa ordem está sendo dada afim de que amemos uns aos outros com um amor que vem de um coração puro e de uma fé verdadeira. Alguns abandonaram essas coisas e se perderam em discussões inúteis (1. 3-6-BLH).

b) Escrevo-te estas coisas, esperando ir ver-te bem depressa; mas se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, coluna e firmeza da verdade  (3.14,15)