IMPRENSA

Teologia e Prática Ministerial de Paulo (III)

Galeria de Fotos

EXCELENTE FORMAÇÃO  -  Alguns detalhes em suas epístolas dão a entender que possuía uma grande bagagem  de conhecimentos gerais, inclusive das vastas literatura e filosofia da época. Verdade é que, pela excelência do conhecimento de Cristo veio a considerar o valor espiritual e capacitador  daquele conhecimento como esterco (Fp 3.8).
Em Tarso fora criado segundo os costumes estritamente judeus, obtendo possivelmente alguma noção da literatura pagã, mas ocupando-se principalmente com o Cânon Hebraico. Com a idade de treze anos, quando deveria tornar-se “Filho da Lei”, certamente transferiu-se para Jerusalém, onde residia sua irmã, e ali ficou entregue aos cuidados de Gamaliel, filho de Simeão e neto do célebre Hillel (Conciso Dicionário Bíblico, pág. 136).
Com Gamaliel, certamente, fez seu “mestrado” em Teologia veterotestamentária.
C. SEUS GRANDES PECADOS   -   Não eram de ordem moral! Do ponto de vista de seu judaísmo e da visão da maioria dos fariseus, eram até considerados virtudes. Somente quando foi iluminado pelo Espírito Divino é que pôde se aperceber da gravidade e da maldade de seus posicionamentos.
(1) INCREDULIDADE -  Aqui, o “pecado-mãe”. Ou,  “pecado-base”, para  o  qual  não existe perdão. Sem fé é impossível agradar a Deus... (Hb 11.6); ...quem não crê será condenado... (Mc 16.16b); Aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece (Jo 3.36). O próprio  “pecado contra o Espírito Santo”  tem aqui suas causas e conseqüências (Veja At 7.51). Por outro lado, lemos em 1 Jo 3. 4,5, que a fé á a vitória que vence o mundo. Foi na sua incredulidade para com Cristo que ele cometeu tantos desatinos contra os cristãos.
(2)  PERSEGUIÇÃO AOS SANTOS DO SENHOR  -   Este foi o que parecia o grande trauma que, por vezes, amargurava Paulo:  Eu persegui a igreja de Deus...(1 Co 15. 9)  ...encerrei muitos dos santos nas prisões; e quando os matavam eu dava o meu voto contra eles. E, castigando-os muitas vezes por todas as sinagogas, os obriguei a blasfemar. E enfurecido demasiadamente contra eles, até nas cidades estranhas os persegui (At 26. 10, 11).
Entretanto, a motivação de Paulo não era  a maldade ou o banditismo de um marginal: Era zelo! Zelo por Deus, pensando, com o que fazia, agradar a Deus: Dou graças ao que me tem confortado, a Cristo Jesus Senhor nosso, porque me teve por fiel, pondo-me no ministério; a mim, que dantes fui blasfemo e perseguidor  e opressor; mas alcancei misericórdia, porque o fiz ignorantemente, na incredulidade (1 Tm 1.12, 13).
B. SUA CONVERSÃO  E  CHAMADO AO MINISTÉRIO
a)  UMA CONVERSÃO RADICAL  -  Todo o ensino paulino mostra, não só a radicalidade de sua conversão, como, muito mais, a sua radicalidade contra o pecado, o mundanismo e todas as suas manifestações. Não existe a menor condescendência.  Ele escreveria mais tarde:
• ...Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele? (Rm 6.2).
• ...tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas as coisas, e as considero como esterco, para que possa ganhar a Cristo (Fp 3.8).
• Porque para mim o viver é Cristo e o viver é ganho (Fp 1.21). 
• Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado (1 Co 2,2).
• Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu,  mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim (Gl 2. 20). 
• Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que se um morreu por todos, logo, todos morreram. E ele morreu por todos para que os que agora vivem, vivam não mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. Assim que, daqui por diante, a ninguém mais conhecemos segundo a carne, e, ainda que tenhamos conhecido a Cristo segundo a carne, contudo agora já não o conhecemos  deste modo. Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas passaram;  eis que tudo se fez novo (2 Co 5.17).

[Esse estudo terá continuidade nas próximas atualizações do colunista]